domingo, 10 de maio de 2009

Palavras escritas, palavras ditas...

Entre idas e vindas das horas que vagarosamente passavam, eu já sabia que havia um momento marcado para desatar as palavras que em nó estavam dentro de mim.
Que iriamos esvaziar o cilindro de óleo que nos sufocava o respirar.

Dizer em meio a baralhos o que devia ser dito naquele tempo, mas só o hoje permitiu, fez com que um alívio tomasse o posto do carcereiro e as portas abrissem.

Tão perto se faz longe essa estranha sensação de vazio que nos tornamos.
Quase apagados enquanto presença.
Lembranças de uma estória que em algum lugar a gente leu e parece que confundimos com a realidade. Porém, o que penso de tudo que houve, ficou mais neon depois de poder entender os teus reais porquês.

Caminhos distorcidos, carinho permanecido.
Em uníssono nossas últimas palavras.
E eu me pego pensando, lá onde o longe vai...Pode ter uma encruzilhada para esse ponto ter tempo de uma vírgula.
Quem vai saber?

Bruna Oliveira

Um comentário:

oi! disse...

Lindo , como sempre, palavras escolhidas....lindamente escolhidas...
e entendo.....rs
beijos

Thais pipi