terça-feira, 28 de julho de 2009

Flertando com o tempo.

Não tenho interesse em tamanha insensatez,
Guardo as palavras não ditas e recolho as horas atiradas no trilho deste trem.
Será que ninguém viu que na primeira curva este trem iria descarrilhar?
Ou tentaram me avisar e fechei a alma, dando as costas para o compromisso com minha viagem?

Honestamente,no presente momento o verbo tanto faz.
Porque nos versos de mim mesma fui como um detento da afeição que acreditava interpretar no teu olhar...
Mas, depois de curada a ressaca, passo a ser a charada.
E no meio de todo esse "o que é o que é" quem vai decidir o momento de desfazer o labirinto dos teus pensamentos;Sou eu.

Bruna Sousa.

2 comentários:

Bob Marinho disse...

é isso aí menina...
as coisas como o vento são...
ninguém vê a olho nú...mas no fundo a gente vê com o sentimento...
o negócio é ter esses olhos abertos...

bjão

Bruna Sousa disse...

É como o vento...
A gente não vê, mas sente.

Mantendo os olhos arregalados, pode deixar! =)

beijos, beijos